ADICIONANDO O PRODUTO AO CARRINHO

BLOG

As duas bebidas alcoólicas mais populares, de longe, são cerveja e vinho, consumidas há milhares de anos. O vinho sempre teve seus tradicionais amantes e conhecedores, mas a nova onda no mundo da cerveja artesanal tem garantido novos adeptos. E agora vem uma afirmação que vocês podem se surpreender: eles possuem mais semelhança do que se imagina! Quer ver?

Cerveja e vinho são naturalmente bebidas fermentadas. A levedura é responsável pelo processo de fermentação primária em ambos, e é a ação dela, especifíca para cada estilo na cerveja ou tipos de vinho, que produz teor alcóolico e perfis sensoriais, como aroma e sabor. A diferença é que, no vinho, sobretudo nos biodinâmicos, em sua maioria, a levedura vem de um processo orgânico, pois ela vive na casca da uva, e na cerveja é adicionada durante o processo. Outro ponto em comum, é que ambas possuem um volume de água importante e potencial alcoólico variado. Além de nos exibir, de forma apaixonante, uma paleta variada de cores.

Os processos envolvidos na produção de cerveja artesanal e dos melhores vinhos têm uma série de semelhanças. Ambos passam por esmagamento, fermentação, filtragem, e envelhecimento. Quer saber mais sobre o processo de produção de cerveja? Relembre aqui o nosso texto “Do grão de cereal ao malte”.

Alguns pontos em comum e contrastes marcantes brincam com o consumidor, tornando cada bebida um assunto individual e ao mesmo tempo, curioso. Aromas de frutas como maçã, pera, damasco, cereja, banana – presentes no aroma e sabor de muitas cervejas, são subprodutos da fermentação e nem sempre da adição delas ao mosto. O cítrico e herbal presente nas India Pale Ales, vem do lúpulo, uma planta de origem trepadeira que oferece amargor e aroma à cerveja, e sobrevive apenas em regiões frias, além de ser bastante volátil. No vinho, os aromas frutados podem vir tanto do processo de fermentação quanto das próprias variedades de uva. Vamos a outro exemplo? O chocolate é um aroma fácil de se encontrar no vinho assim como na cerveja. Na Porter ou Stout, o chocolate vem da torra dos maltes utilizados. Se está no Cabernet Sauvignon, ele vem de uma combinação de fermentação e envelhecimento em barril. 

Inclusive, envelhecimento em barril é um assunto comum no vinho que vem ganhando espaço no mundo das cervejas. Algumas cervejarias têm usado barris em que os vinhos foram repousados, para maturar a cerveja, oferecendo assim semelhanças e complexidades sensoriais próximas. Ambos, se tiverem o objetivo de passar por um processo de envelheciento, podem ficar anos descansando em barris que esse tempo só servirá para trazer mais enriquecimento, notas de madeira (como carvalho, amburana), respeitando cada qual a sua peculiaridade.

Agora vamos falar sobre a saúde e o consumo responsável? Ambas bebidas tem benefícios adicionais para os apaixonados bebedores. O vinho tinto, é rico em tanino é contém procianidinas, que protegem contra doenças cardíacas. A cerveja é uma fonte significativa de silício que permite melhorar a densidade óssea e reduz o risco de osteoporose. Além de ser uma boa reposição de sais minerais, cálcio, vitaminas como B2, e antioxidantes naturais. Bom, né?

Ficou curioso em saber mais sobre as semelhanças de cada uma das bebidas? Na semana que vem, falaremos de tipos de taças, sugestões de consumo e como participar dos dois mundos de forma que você tire o melhor proveito do consumo! Ainda não entrou para o mundo das cervejas artesanais? Então clique aqui e saiba mais!

Cheers!

 

É Proibida a Venda de Bebidas Alcóolicas para menores de 18 anos. Beba com Moderação.

AVALIAÇÃO: