ADICIONANDO O PRODUTO AO CARRINHO

BLOG

Cerveja Bock todo mundo já conhece, aquela lager “mais forte”, escura, com tendência para doçura de frutas, e no geral mais robusta e alcoólica. Ela recebe o nome da cidade alemã de Einbeck, onde foi fermentada pela primeira vez, no século XIV. Diz a história que com o tempo as pessoas teriam usado o termo Beck, e mais tarde, Bock, Porém, outra hipótese é a de que certos povos, procurando o auxílio e a proteção dos deuses, produziam a sua cerveja apenas durante o período correspondente ao signo de Capricórnio, que em alemão se chama Bock, e até por isso muitos dos rótulos de Bock exibem a imagem de um bode. A origem do nome é incerta, o certo é que apesar do estilo mais escuro e alcoólico, são cervejas mais suaves, com notável presença de malte. Elas são armazenadas para descansar antes de serem servidas, o que as torna muito fáceis de beber.

Com a chegada dos meses mais frios, a grande recomendação é o consumo de um estilo não tão conhecido, que nada mais é do que uma Bock, em dobro! Doppel, em alemão significa “dobro”. Enquanto o teor alcoólico da Bock tradicional pode variar de 6,3 a 7,2% por volume, a Doppelbock pode conter até 10%. Sua cor varia do dourado ao marrom-escuro, chegando ao rubi. As versões mais escuras têm aroma forte de malte, achocolatado, e tostado. As mais claras são mais secas, amargas e lupuladas. Notas de caramelo e toffee também podem estar presentes, além de ésteres frutais. O corpo é bem elevado, é consumida em alguns lugares no lugar do conhaque. Se a nome termina em “ATOR” pode apostar que se trata de uma Doppelbock! Pois os fabricantes geralmente usam essa nomenclatura, seguindo a primeira amostra fabricada pelos monges paulinos na Alemanha: SALVATOR.

Agora imagine uma anomalia no mundo da cerveja! A Eisbock (ice bock) surge ao sujeitar a cerveja já fermentada a temperaturas congelantes e os cervejeiros podem então peneirar os cristais de água que se formam e a versão final é uma cerveja muito mais concentrada.

Diz a lenda que um aprendiz de mestre cervejeiro esqueceu alguns barris de Doppelbock fora da cervejaria no violento inverno alemão e parte do conteúdo congelou, mas que o que restou agradou pelo sabor acentuado. Nasce assim esse estilo, Eisbock, em uma referência à bebida Eiswein, produzida a partir de uvas congeladas. Possui aroma maltado, ricamente frutado e com alto teor alcoólico. Não se trata de uma Doppelbock mais alcoólica, mas sim uma cerveja com excelente equilíbrio entre o malte e o álcool. Sua cor varia do cobre ao marrom-escuro, também bastante encorpada e pouco carbonatada, perfeita para dias mais frios.

Não é um estilo facilmente encontrado, pois esse processo de congelamento da ceveja (congelamento fracional) é uma forma de destilação e exige uma licença especial por parte do cervejeiro.

Pode-se dizer que o estilo Eisbock é um desafio pra engenharia de alimentos, pois a cada 1 litro de Doppelbock congelado, consegue-se retirar por volta de 65ml apenas, o que não a torna muito comercial, e infelizmente cara.

Quer experimentar em casa um pouco da doçura que é uma Eisbock?

Na Alemanha e em alguns sites na internet é vendido um aparelhinho especialmente desenvolvido para essa finalidade, chamado Bukanter, mas pode ser utilizada também uma garrafa de rolha, da seguinte forma:

1 - Limpe e seque a garrafa muito bem,

2 - Coloque 600ml de alguma Doppelbock de sua preferência,

3 - Tampe a garrafa, deixando um espaço de folga para não estourar quando congelar,

4 - Leve ao freezer para congelar (mantendo-a de pé),

5 - Após congelar bem, retire do freezer e vire-a em um copo largo, deixando escorrer até que a garrafa não esteja mais suada.

Nossos kits Gambrinus e Hapi do mês atual incluem um belo exemplar de Doppelbock, a Riegele Augustus. Você pode assinar até o dia 31/5 e recebê-la na sua casa!

Saúde!!!

AVALIAÇÃO: